saúde bucal

Como as informações disponíveis na web tem impactado na saúde bucal das pessoas?

O novo perfil de pacientes está cada dia mais informado e independente. Isso, faz com que os médicos que disponibilizam conteúdo na internet estejam sempre antenados nas tendências do mercado. É importante ficar de olho na qualidade e confiabilidade das informações, principalmente quando o assunto é Saúde Bucal.

A facilidade advinda da quantidade de informações, entretanto, nem sempre é positiva. Inúmeros estudos comprovam o perigo da má utilização dos dados contidos na web: o usuário leigo não sabe direcionar sua pesquisa e filtrar as informações.

O próprio Google oficializou o Dr. Google juntamente com o Google Health, em uma tentativa de oferecer material feito e revisado por especialistas do Hospital Israelita Albert Einstein aqui no Brasil e por outras instituições renomadas pelo mundo.

Mas se é impossível convencer um paciente a NÃO pesquisar na internet. Cabe aos profissionais de saúde orientá-lo e ajudá-lo a buscar fontes confiáveis. O bom e velho “se não pode lutar contra, junte-se a eles!

Qualidade da informação e saúde bucal

Com a acessibilidade e o aumento das buscas na internet, as pessoas costumam chegar aos consultórios com “diagnósticos” prontos. Indicação de exames, tratamentos e até o tempo de licença “definidos” em sua cabeça. No que tange a saúde bucal, muitas vezes, os pacientes já descrevem os procedimentos, cheios de “achismo”, praticamente pedindo apenas uma “segunda opinião” ao profissional médico.

Portanto, caso ainda não possua, é vital criar um blog/site, estar presente nas redes sociais  e começar a escrever conteúdos de qualidade. Essa atitude fará o papel de informar e esclarecer dúvidas dos seus pacientes. De acordo com os questionamentos que surgirem no consultório, tenha um planejamento para que as postagens sejam facilmente atualizadas. Isso irá fará com que mais pessoas as encontrem através de mecanismos de busca. O Google nunca substituirá um médico de verdade, já que a arte da medicina ocorre pela avaliação humana. Entretanto, o potencial da rede mundial de computadores possibilita a disseminação da informação e a assistência a áreas remotas de populações humanas.

É fundamental que você faça isso mantendo sempre os princípios de transparência, honestidade, qualidade, consentimento livre e esclarecido, privacidade, ética médica, responsabilidade e procedência.

A internet e o paciente

Em primeiro lugar, é fundamental lembrar que o paciente informado é aquele que tem conhecimentos básicos sobre saúde e medicina. O paciente esclarecido pode colaborar de forma valiosa para melhores diagnósticos e tratamentos mais efetivos. Mas é preciso que o paciente seja corretamente instruído. Um dos melhores exemplos é o Google Health, uma série de quadros informativos de alta qualidade a respeito de centenas das doenças mais buscadas pelos usuários, com informações validadas pela equipe Médica do Hospital Israelita Albert Einstein.

Por que o paciente bem informado colabora com o médico?

A internet pode orientar noções básicas de diversos assuntos. Higiene, alimentação, origem e evolução das doenças, medicina preventiva, tecnologia para diagnósticos, como tomografia computadorizada, ressonância magnética, ultrassonografia e outros temas. Estar corretamente informado, portanto, é algo muito positivo. Um avanço, para o paciente, para o médico e para a própria medicina.

Hoje, o profissional de saúde pode utilizar a rede virtual a seu favor. Mais uma ferramenta de construção da sua reputação e aquisição de pacientes. Tal tecnologia também gera grandes benefícios para a sociedade como um todo.

Gostou e quer ler mais conteúdos relacionados? Acesse nosso artigos sobre Dicas para melhorar a recepção de pacientes em uma clínica de fisioterapia

Cursos Saúde e Inovação

Deixe uma resposta

%d blogueiros gostam disto: